Salvo-conduto genético

Sou o negativo do homem crente
uma imagem metafísica
que vive na dinâmica do outro lado
sem precisar de ser revelada.

Sou a sua mão esquerda
se a direita está tomada.

Arrosto a sua crença
mas sou por ele
pois ele é meu irmão.

Tomo a sua mão direita quando é camarada.

Não ponho na mesa a sua filosofia
se eu comer melão
ele não come melancia
se o fogo se atear na sobrecâmara
eu darei o peito para o salvar.

Não quero crer em nada que não seja todavia
é o meu corpo anímico que pede esse valor
o amor habitável do homem vigente
que honra o bicho antes de o matar.

Não sou um selo seco cego e mudo
mas uma boca que não se quer sepultar.

Carrego no corpo – a alma posso-a ceder –
os gritos de todos os dissidentes.

Se a minha dúvida alimenta a sua crença
um dia me calarei e ele não mais falará.

Theófilo de Amarante ( Fernando Oliveira )